Modelos de projetos de redes de abastecimento 

O projeto da rede de abastecimento, também conhecido como modelagem de rede, é um modelo matemático da cadeia de abastecimento. O modelo precisa ser resolvido com técnicas de otimização para escolher a melhor solução em um cenário específico. 

Este resultado dará a localização ideal das instalações (fábricas, armazéns, etc.) e também determinará o fluxo ideal dos produtos. Portanto, é necessário um modelo de projeto para aproveitar ao máximo a estrutura de sua rede. 

Mas o que é o Modelo de Rede de Supply Chain Network? 

Basicamente, eles são uma classe útil de modelos que podem ser usados para decidir decisões múltiplas em uma cadeia de fornecimento. Dois exemplos simples mas eficientes são O Problema de Transporte e o Problema de Transbordo. 

Ambos tentam minimizar os custos por um determinado período, fazendo isso encontrando o número de unidades a serem transportadas para atender à demanda enquanto atendem às restrições de capacidade. 

Uma limitação desses modelos é que eles estão limitados a custos variáveis para o arco, ou seja, custos de transporte por unidade. O custo de toda a estrutura é muitas vezes mais complexo.  

Além disso, eles agem em uma demanda determinista, quando se sabe perfeitamente qual será a demanda para todo o período. Finalmente, eles assumem apenas uma mercadoria, como se todas as plantas produzissem mercadorias perfeitamente substituíveis. 

Terminologia básica 

Há alguns conceitos que são freqüentemente utilizados quando falamos de rede, vamos apresentar quais são cada um dos principais: 

  • Nó ou Vértices: um ponto, um local na cadeia de abastecimento; pode ser uma instalação, CD, fábrica ou uma região. 
  • Arco ou Borda: a estrada que liga dois pontos. Também pode ser diferentes tipos de fluxos, dependendo de qual seja a trajetória de um item. 
  • Rede ou Gráfico: todo o sistema, um conjunto de nós e arcos. 

Modelos de Facilidade de Localização 

Após estabelecer como o modelo funciona, você precisa investigar questões mais práticas. Como, por exemplo, uma revisão sobre onde será a instalação, se apenas uma for necessária. 

Ou descobrir quantas e quais facilidades usar, dada a quantidade esperada de pontos e como incorporar o nível de restrições de serviço aos modelos. 

Se você decidir por uma única instalação, o importante é considerar todos os pontos do espaço e buscar a localização ideal. Um método intuitivo pode encontrar a localização ideal, mas há problemas. 

Por exemplo, não minimiza os custos de transporte, ou pode revelar um lugar com falta de infra-estrutura, altos custos de construção e dificuldades de obtenção de licenças. 

Este é o método do centro de gravidade, onde o ponto é um contraste nas coordenadas x e y. Uma opção melhor é o Método Weber, onde o peso das distâncias nas coordenadas é minimizado em função da demanda em cada nó. 

Supply Chain Network Design 

O projeto da rede é uma combinação dos modelos de otimização e localização de instalações. O primeiro passo é construir um modelo para coletar dados e depois, descobrir os custos e capacidades associados ao transporte de entrada e saída. 

Com um Modelo de Rede, os custos de transporte são lineares em volumes. É claro que nem sempre é assim, pois há muitas variáveis envolvidas.  

Entretanto, é necessário, para construir um modelo, encontrar uma aproximação linear que esteja pelo menos próxima do ideal. Há alguns métodos para fazer isso: 

  • Pegue o custo médio de transporte a partir de dados históricos. 
  • Use a lista de preços. 
  • Uma análise de regressão para encontrar os custos. 
  • Taxas de referência a partir de fontes externas. 

Com estas informações é possível encontrar um modelo linear próximo e ver como ele afetará o modelo. 

Dados das instalações 

Ter custos fixos torna cara a manutenção de muitas instalações. Além disso, os custos variáveis tornarão as instalações mais caras em longas distâncias. O que o modelo fará é reduzir o número de instalações e manter os pontos a uma distância menor. 

Portanto, há duas possibilidades nas instalações. Mantido por um terceiro, que dará os custos sob contrato e uma instalação operada internamente. Então, há duas opções: 

  • Custeio baseado em atividades para encontrar valores variáveis. 
  • Análise de regressão sobre o volume.  

Outro valor importante a ter em mente é a capacidade máxima das instalações. Isso evitará possíveis problemas nos armazéns, tais como itens perdidos ou espaço não utilizado. 

Diretrizes básicas 

Mesmo com um modelo matemático indicando valores corretos, os problemas ocorrem em níveis práticos. Portanto, uma abordagem mais ativa é necessária, para isso, algumas coisas podem ajudar. 

Primeiro, conheça o projeto. É necessário ter uma compreensão sólida não apenas da cadeia de fornecimento físico, mas também de todas as pessoas e dados envolvidos no projeto. 

Em seguida, concentre-se nos problemas que surgem. Você precisa saber quais são os problemas importantes que precisam de mais tempo e aspectos que são triviais para a operação. 

Finalmente, tente fazer experiências com os modelos. Use-o como base, mas implemente-o em aspectos que apareçam. Tais como novas entradas, novas exigências e problemas durante o ciclo.

Saiba como o Supply Brain pode ajudar sua estratégia de otimização da cadeia de suprimentos. Agende uma conversa!


    [email protected]

    Belo Horizonte

    Rua Carlos Alves, 88 -101 – São José

    São Paulo

    Cubo Itaú – Alameda Vicente Pinzon, 54 – Vila Olímpia

    pt_BRPortuguese